Google+ Badge

Cemitério dos livros lidos...

Cemitério dos livros lidos...

Introdução ao Blogue

Porque muita gente associa "cemitério" a algo triste, quero desde já tirar essa ideia em relação a este blog ;) A ideia deste blog é simplesmente arrumar num cantinho especial e cuidado todos os livros que leio, afinal não é isso que fazemos com as pessoas das quais temos que dizer adeus? E por achar que todos eles são especiais e não nos aparecem na vida por acaso... já alguma vez ouviram um livro chamar-vos para a leitura? ;) Não? Então estejam atentos e vão ver como não o escolhem ou apareceu nas vossas mãos por acaso...;)

E sendo a vida no fundo um livro em branco, escrito por nós todos os dias, lembrei-me de "porque não ter um espaço de conversas entre livros sem ser sobre livros", onde possamos falar da actualidade, pensamentos, filhos, dúvidas, receios e partilhas? Ainda mais tendo em conta que sou uma portuguesa de gema, a viver em Buenos Aires... com uma filha pequena, que entende os pais em português, mas se expressa em "portenho"!!! :S lol

E já agora, porque não falarmos e deixarmos entrar um pouco também a minha profissão?... Nutricionista!;) São novas ideias para o ano de 2015 e penso sempre, se é para sonhar que seja em grande! ;)

E quem queira deixar um ou vários livros aqui basta seguir o que está escrito um pouco mais abaixo, do lado esquerdo! ;)

Espero que regressem várias vezes a esta divisão da net! ;)
Boas leituras! :)

Regras do Cemitério...

Eu respondo sempre aos vossos comentários, por isso se não tiver comentário de resposta... é porque ainda não li!;)

Toca a enviar livros ou então entrar apenas para conversar!!;) Vamos fazer deste cemitério um espaço cheio de vida!!;)

sexta-feira, 18 de abril de 2014

Gabriel García Márquez - Os gigantes nunca morrem...



"O escritor colombiano e prémio Nobel da Literatura Gabriel García Márquez morreu nesta quinta-feira na Cidade do México aos 87 anos, noticiou o .jornal El País. Estava na sua casa, com a mulher Mercedes e os seus dois filhos.
Foi na carretera de Acapulco, no México, em 1965, quando viajava num Opel branco, com a sua mulher Mercedes e os filhos Gonzalo e Rodrigo, que o escritor Gabriel García Márquez soube como poderia acabar “uma história que não o tinha deixado em paz durante os últimos 20 anos”, “uma história que começou a escrever quando tinha 19 anos, a que chamou La Casa, mas que estava incompleta e ele não sabia por onde a começar”. Tratava-se, é claro, do romance Cem Anos de Solidão (Dom Quixote), que conta a história da família Buendía que vive no imaginário Macondo.
Foi durante essa viagem, a caminho de uns dias de férias com a família nas praias de Acapulco, e enquanto conduzia, que à memória do escritor colombiano veio o momento em que o seu avô lhe mostrou pela primeira vez um bloco de gelo, Gabriel tocou-lhe com o dedo e achou que estava quente. E assim nasceu o início deste romance, um clássico mundial da língua castelhana: “Muchos años después, frente ao pelotón de fusilamiento, el coronel Aureliano Buendía hábia de recordar aquella tarde remota en que su padre lo llevó a conocer el hielo.”  
Esta obra foi traduzida em mais de 35 línguas e vendeu mais de 30 milhões de exemplares. A academia sueca quando lhe atribuiu o prémio Nobel em 1982 justificou-o por na sua obra "se aliarem o fantástico e o real na complexidade rica de um universo poético reflectindo a vida e os conflitos de um continente”. 
Gabriel García Márquez estudou em Bogotá, começou a sua carreira de jornalista, apaixonou-se à primeira vista por Mercedes Barcha e muitas vezes sobreviveu graças à ajuda dos amigos e colegas escritores enquanto escrevia. Vivia no México desde 1961 mas passava temporadas em Cartagena (na Colombia), em Barcelona (Espanha, onde fica amigo de Carlos Fuentes, Mario Vargas Llosa e Julio Cortázar ) e em Havana, Cuba.Há anos que as suas aparições públicas eram raras e não costumava fazer declarações à imprensa.
Conta-se que Gabo (como lhe chamavam) foi surpreendido, em 1982, por um telefonema da Academia Sueca a comunicar-lhe que lhe tinha sido atribuído o Prémio Nobel da Literatura. Estava a dormir, atendeu o telefone e achou que era uma brincadeira.
Esta quinta-feira o presidente colombiano, Juan Manuel Santos, escreveu na sua conta de Twitter : "Mil anos de solidão e tristeza pela morte do maior colombiano de todos os tempos! Solidariedade e condolências a Gabo e família". E acrescentou: "Os gigantes nunca morrem."
O primeiro a dar a notícia foi o jornalista da cadeia mexicana Televisa, Joaquin Lopez-Doriga, que também o anunciou na sua conta no Twitter."

Jornal Publico

Nunca li (ainda) um livro completo deste escritor! Ofereci alguns, folheei vários, até aqui mesmo em Buenos Aires, mas nunca calhou ler de verdade, sem serem excertos, mas sei que um dia o vou fazer!
Fiquei tanto tempo sem vir aqui, e aconteceu "voltar" pelo mesmo motivo... morte! :( 
Claro que morrer aos 87 anos, com uma vida tão cheia e rica de vida, é o que todos "desejamos" certo? Por isso não fico verdadeiramente triste, no sentido em que viveu e deixou uma obra que vai ser eterna... e como disse Juan Manuel Santos "os gigantes nunca morrem"! :) E é isto mesmo! :) Que descanse em paz!:)

Desse lado há fãs? Leitores de Gabriel García Márquez?:)

8 comentários:

  1. Nunca li nada de Gabriel Garcia Marquez. Não sei porquê, mas nunca tive especial curiosidade em ler. Que descanse em paz.
    beijinho

    ResponderEliminar
  2. Também nunca li nada dele. Estive hoje na Fnac e, por acaso, encontrei vários livros em destaque. Fiquei com alguma curiosidade! O que recomendas?
    Beijinhos

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não sei se será o melhor, mas tenho dois na lista:
      - Memória das minhas putas tristes
      - 100 anos de solidão, que vou comprar no final do mês para oferecer ao meu marido... que é como quem diz, uma prenda literária cá para casa!! :D ahahahha
      Beijocas

      Eliminar
  3. Dele só li "Crónica de Uma Morte Anunciada", de que gostei imenso, mas ainda não li mais nenhum. Tenho o "Cem Anos de Solidão" para ler já há algum tempo, mas tenho ido adiando, porque há sempre tanta coisa para ler :)
    Beijinho :)

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Pois é! :) Há sempre muuuuuitos livros para ler e por vezes acontece que uns se "atropelam" aos outros!! :S Eu já procurei os Cem anos de solidão, aqui por Buenos Aires, mas anda desaparecido.... mas vou achar e ler! ;)
      Beijinhos e boas leituras! :)

      Eliminar
  4. Permitam-me que recomende que comecem por "Crónica de uma morte anunciada" que apesar da tragédia iminente é uma história bem humorada. Em meu entender, a grande dificuldade em seguir o enredo das suas obras é a confusão de personagens, pois os nomes são perpetuados de geração em geração ( em "Cem anos de solidão" sucedem-se os Aurelianos e as Amarantas!) e nesta crónica em particular pelo número de personagens que povoam o livro. Li também "O amor nos tempos de cólera" cuja leitura também recomendo. Quanto à obra "Memória das minhas putas tristes" admito que iniciei a sua leitura logo após o lançamento (estava na minha fase GGM!) mas nunca terminei e ainda não me senti tentada a uma nova investida (o que é raríssimo acontecer!).

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá M.F.!! :)
      Agradeço imenso a tua sugestão, que vou ter em conta, isto porque sempre pensei, nem sei bem porquê, que iria ler em primeiro lugar os Cem Anos de Solidão, que ofereci ao meu marido há uns meses, mas o meu marido referiu exactamente o mesmo que tu referiste, a confusão das personagens!:) ahaha Achei interessante as opiniões iguais de duas pessoas que não se conhecem!:)
      Tenho muita curiosidade para ler GGM! Provavelmente será um desafio literário para 2015! Que gosto sempre de ter um desafio deste nível!:)
      Beijinhos e boas leituras! :)

      Eliminar