Google+ Badge

Cemitério dos livros lidos...

Cemitério dos livros lidos...

Introdução ao Blogue

Porque muita gente associa "cemitério" a algo triste, quero desde já tirar essa ideia em relação a este blog ;) A ideia deste blog é simplesmente arrumar num cantinho especial e cuidado todos os livros que leio, afinal não é isso que fazemos com as pessoas das quais temos que dizer adeus? E por achar que todos eles são especiais e não nos aparecem na vida por acaso... já alguma vez ouviram um livro chamar-vos para a leitura? ;) Não? Então estejam atentos e vão ver como não o escolhem ou apareceu nas vossas mãos por acaso...;)

E sendo a vida no fundo um livro em branco, escrito por nós todos os dias, lembrei-me de "porque não ter um espaço de conversas entre livros sem ser sobre livros", onde possamos falar da actualidade, pensamentos, filhos, dúvidas, receios e partilhas? Ainda mais tendo em conta que sou uma portuguesa de gema, a viver em Buenos Aires... com uma filha pequena, que entende os pais em português, mas se expressa em "portenho"!!! :S lol

E já agora, porque não falarmos e deixarmos entrar um pouco também a minha profissão?... Nutricionista!;) São novas ideias para o ano de 2015 e penso sempre, se é para sonhar que seja em grande! ;)

E quem queira deixar um ou vários livros aqui basta seguir o que está escrito um pouco mais abaixo, do lado esquerdo! ;)

Espero que regressem várias vezes a esta divisão da net! ;)
Boas leituras! :)

Regras do Cemitério...

Eu respondo sempre aos vossos comentários, por isso se não tiver comentário de resposta... é porque ainda não li!;)

Toca a enviar livros ou então entrar apenas para conversar!!;) Vamos fazer deste cemitério um espaço cheio de vida!!;)

quarta-feira, 9 de outubro de 2013

Livro Nº36: No Meu Peito Não Cabem Pássaros - Nuno Camarneiro

Livro enviado por Mente Flutuante...

Sinopse...

Um livro muito bem escrito sobre três figuras importantes: Kafka, Pessoa e Borges. Que linhas unem um imigrante que lava vidros num dos primeiros arranha-céus de nova iorque a um rapaz misantropo que chega a lisboa num navio e a uma criança que inventa coisas que depois acontecem? Muitas. Entre elas, as linhas que atravessam os livros. Em 1910, a passagem de dois cometas pela Terra semeou uma onda de pânico. Em todo o mundo, pessoas enlouqueceram, suicidaram-se, crucificaram-se, ou simplesmente aguardaram, caladas e vencidas, aquilo que acreditavam ser o fim do mundo. Nos dias em que o céu pegou fogo, estavam vivos os protagonistas deste romance – três homens demasiado sensíveis e inteligentes para poderem viver uma vida normal, com mais dentro de si do que podiam carregar. Apesar de separados por milhares de quilómetros, as suas vidas revelam curiosas afinidades e estão marcadas, de forma decisiva, pelo ambiente em que cresceram e pelos lugares, nem sempre reais, onde se fizeram homens. Mas, enquanto os seus contemporâneos se deixaram atravessar pela visão trágica dos cometas, estes foram tocados pelo génio e condenados, por isso, a transformar o mundo. Cem anos depois, ainda não esquecemos nenhum deles. Escrito numa linguagem bela e poderosa, que é a melhor homenagem que se pode fazer à literatura, "No Meu Peito não Cabem Pássaros" é um romance de estreia invulgar e fulgurante sobre as circunstâncias, quase sempre dramáticas, que influenciam o nascimento de um autor e a construção das suas personagens.

Palavras de quem enviou o livro...


"Não é o meu estilo de leitura e não gostei muito do livro no geral. Mas gostei da escrita, da forma como são ditas as coisas. Nunca conseguiria escrever assim e por isso fiquei a admirar o escritor. Deixo-vos alguns exemplos do que quero dizer:

“Entra no elevador e vê-o encher-se a cada piso. São lugares democráticos os elevadores, no mesmo espaço juntam-se fatos-macacos e casacos de bom corte e, apesar da diferença, são só pano que separa a pele do trabalho.”

“Quem não sabe para onde ir vai indo sem saber para onde”

“Todos devíamos ter diferentes palavras para “eu”: o “eu” que eu que sinto, o “eu” que tu vês, o “eu” que eu não sou.”

“Ele aproxima-se do rapaz que o não vê chegar porque toca de olhos fechados. Jorge fecha também os seus e ficam os dois à distância da música.”

“Os homens nascem, crescem e morrem. E pelo meio fazem algumas coisas. Há coisas que são de todos: comer, dormir, fazer sexo, fugir à realidade. Há coisas que poucos fazem: lutar por um ideal, fundar uma religião ou uma filosofia, amar, criar algo de verdadeiramente belo. O tempo gasto numas explica a raridade das outras.”

Não conhecia... desse lado mais alguém que tenha lido? ;)

Boas leituras!:)

2 comentários:

  1. Olá!Nunca li nada deste autor...mas fico sempre com curiosidade.Estou a acabar de ler 'O Quarto de Jack' !Beijinhos.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Olá!!:) Também nunca li, mas confesso que fiquei curiosa...Aiii tenho de me despachar com o Saramago!!;) ehehe
      Beijinhos

      Eliminar